quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Comentadores de Futebol, Política, Violações e Pedofilia...

Ainda há quem se queixe que já não há empregos garantidos, como se enganam. Atentem no exemplo do futebol: os jogadores têm uma carreira razoavelmente curta, terminam-a em média antes dos 35 anos, mas é aí que a vida começa de novo para eles, como comentadores. Resumindo, o idiota que não sabe completar uma frase curta vai comentar um jogo inteiro com a sua tremenda erudição digna do mais profundo síndrome de Down. Bem estou a fugir ao assunto, não é eloquência dos futebolistas que me incomoda. O que me irrita imenso é, puro e simplesmente, a noção assente e aceite no geral, que alguém que exerceu determinada tarefa, a vai saber comentar com igual talento.
O mesmo acontece com a política. Basicamente os políticos andam no "relvado", às caneladas, cabeçadas, cuspidelas, poucos ou nenhuns golos na baliza adversária e imensos na própria. Recorrendo à gíria futebolística, não há um único político eleito que não vire num colossal flop, mas subitamente, quando comentam, são dotados de todo o jeito, mérito e conhecimento. Marques Mendes, José Sócrates, Marcelo Rebelo de Sousa, todos comentadores do jogo que outrora também foi o deles, vivendo à custa dos erros dos outros, vivendo à custa dos erros uns dos outros, vivendo à custa de nós que os ouvimos, sem pensarmos muito no porquê de o fazermos sequer, e nem sempre sendo capazes de destrinçar outros interesses adjacentes ao momento em que o sapiente ex-deputado vira “imparcial”.

Tendo em conta isto do comentário como garantia de reforma, proponho que façam o mesmo com outras funções.
A verdade é que nunca um violador virou comentador de violações. Nunca vi senhor de Telheiras num telejornal a comentar o seu emprego. Comentadores de pedofilia por exemplo, também não há. Aqui está um bom emprego para o Bibi quando sair da cadeia: explicar aos pedófilos os seus erros; que brinquedos ou doces estão na moda para captar a atenção dos pequenos futuros fantasmas, cuja dificuldade em se sentar vai mais do comodismo do que da dor em si; qual a melhor forma de guardar o segredo sem ter que matar a criança penetrando-a com um piaçaba (isto aconteceu neste país).

Caros Homens-Bomba, receio que seja complicado para vós capitularem esta minha sugestão, por causa de explodirem e tal. Se quiser ver um pé feio, sujo e desfeito a falar na televisão, eu olho para o focinho da Judite de Sousa, prefiro.

Sem comentários:

Enviar um comentário