terça-feira, 6 de setembro de 2011

Algo deve estar errado... A Luta Continua (depois do Futebol)

Nós não vamos queimar Portugal? Tu não te importaste de nos queimar quando o poleiro te cheirou.

É assim que aborda a vontade do povo senhor Primeiro Ministro? O povo que votou em si, que acreditou no seu projecto.

Eu como nunca me acreditei digo o que me apetecer. Primeiro não se pode exigir tanto dos portugueses. Cortes enormes que improvavelmente se agravarão porque, obviamente, deixa de haver dinheiro, o problema são os preços, com os transportes a aumentarem, o pão e todos os bens de consumo começo a achar que é preciso reagir, lutar. Lutar não é queimar Portugal, como não foi em 1974, lutar é deitar fora o podre.

Outra coisa que não concordo é a constante defesa das grandes fortunas porque não queremos que o capital "fuja". Isto tem um efeito nocivo na sociedade porque comprova que o governo é submisso perante esses senhores que obrigatoriamente deviam dar o exemplo. Eles são cidadãos logo devem ajudar mais o Estado.

O Paulo Portas diz que as greves são nocivas para Portugal. É verdade, principalmente quando quem não vota já usa esse outro direito, mas as greves existem para reivindicar e é isso que deve ser feito.

Lutem!

7 comentários:

  1. Este Passos Coelho é um estúpido. Eu sabia que isto não ia ser bom, mas nunca pensei que fosse ser tão mau!... Agora "avisam-nos" de que pode ser prejudicial se nos revoltarmos. Mas estamos a andar para a frente ou estamos a voltar à ditadura?...

    ResponderEliminar
  2. Estou farta de dizer o mesmo: é para lutar, bora lá, mas é preciso fazer isso também como a cabeça e não apenas com as tochas a arder (que boa piada mesmo oportuna, lol!). Há muita gente que faz greve e vai às manifs, mas se lhes perguntares porque fazem isso e o que procuram melhorar, não te sabem dar uma resposta que contenha mais que um monossílabo ou uma onomatopeia. É protestar contra o que está mal e arranjar soluções, porque "esses meninos" não o vão fazer por nós.
    Tanta coisa a aumentar, e somente no que toca a produtos essenciais a uma existência condigna, mas a máquina do Estado não se priva de coisa alguma, nem aos mais ricos e poderosos poderosos... palavra muito significativa).
    E eu sei que a cena do iogurte era um elogio, estava só a aparvalhar (também tenho direito a isso! xD). Bjs*

    ResponderEliminar
  3. Tenho uma opinião algo peculiar sobre as manifs. Acho que hoje em dia fazem-se demasiadas, e a maioria impulsionadas por poderes políticos (sim, pq os sindicados navegam ao sabor do partidarismo). Ao existirem muitas manifs faz com que o acto de manifestar perca importância e relevância, por ser algo já banal. Dantes uma greve geral era algo que centrava as atenções, as pessoas ouviam a mensagem transmitida e a manif tinha relevância, hoje há tantas greves, que já ninguém as ouve.

    Outro problema das greves é o teor da reivindicação. Claro que é muito bonito pedir "mais emprego", "menos trabalho precário" ou "melhores salários", mas sem medidas concretas estas reivindicações não passam de pratos vazios para o povo comer. Os sindicalistas esquecem-se que os objectivos atingem-se partindo de bases e percorrendo caminhos, mas eles acabam por só apontar as metas.

    ResponderEliminar
  4. Eu sempre disse que o Sócrates estava lá bem --'
    E continuo a dizer que o Sócrates foi um grande Primeiro-Ministro e um grande governador.

    Todos sabemos que sem dinheiro não pode haver progresso, ele tentou fazer o que podia mas infelizmente não teve sucesso.
    Quando o Coelho foi para a presidência do PSD vi logo que ia ser eleito PM e ia fazer ainda pior que o Sócrates mas pensei que o povo fosse dizer que não tinha o que fazer mais...

    Afinal, estava errado...ele fodeu bem o povo, no entanto o Povo ficou contra ele! :)

    ResponderEliminar
  5. Estudante - Eles esquecem-se que o país é nosso.

    Nightwish - A luta faz parte do dever cívico.

    DC - Concordo, já disse aqui no blog que penso que a "Geração à Rasca" foi uma jogada política, disse também que muitos dos que lá estavam não sabiam o que lá faziam mas não é a este tipo de reivindalismo acéfalo que eu apelo. Penso que é preciso que unamos forças e que mostremos que não aguentamos mais, que é preciso cortar na despesa do Estado com moderação para não pioras a qualidade dos serviços, apostar no produto nacional em vez de nos concentrarmos tantos na exportação porque é não se aposto no mercado interno? Produzindo mais os preços baixam, as pessoas compram e há excedentes para exportar. Não há medidas milagrosas é verdade, mas se os portugueses não aguentam mais, se perdem o poder de compra e os empregos, se o PIB desce, como é que o país evita ficar uma Grécia?

    Renato - Penso que Sócrates cometeu erros, não é o diabo qe pintam, mas cometeu erros. Acho que o melhor projecto de governo na altura era o de Pedro Passos Coelho e como já disse sou Socialista (apartidário), não acho no entanto que fosse um bom projecto, acho que é terrível e corrosivo para o país, infelizmente não havia alternativas melhores e enquanto estes 5 partidos monopolizarem a política portuguesa nada mudará.

    ResponderEliminar
  6. a esse caro senhor Paulo Portas era enfiar-lhe um desentupidor de sanitas pelo cu a cima e ver se lhe saia a merda toda do cérebro. arre parta .

    ResponderEliminar