sábado, 24 de setembro de 2011

Algo deve estar errado... Humor-Negro Puro

Ora ainda no espírito de me revelar, eu moro numa zona pacata e tradicional  e quando era miúdo a minha avó é que ficava comigo porque os meus pais trabalhavam. Eu não gostava, odiava aliás , tinha de andar no meio das beatas e não era de nenhum fumador, por isso fugia muitas vezes e lia os livros que o meu avô me dava.

Uns anos depois ia eu para o meu primeiro dia de aulas na escola nova e a minha mãe chegou a casa a chorar, estava doente.
Uns meses depois morreu.

Aqui por perto diziam-me que a minha mãe estava no céu e que foi Deus que a quis.

Eu revoltado dizia:  "eu preciso mais dela do que esse palhaço". Isto chocava toda a gente e eu um dia, cansado de ouvir raspanetes por chamar aquilo a Deus (nessa altura eu acreditava que ele existia e que era um grande cabrão) respondi apenas: " a minha mãe não está no céu, está na cova. Eu vi. Além disso ela não estava com grande vontade de sair de lá, notava-se pela cara".

O choque foi tal que me deixarem de perguntar o que quer que fosse devido à minha heresia, era um miúdo pequenino, dizer aquilo não combinava com o meu aspecto mas foi a primeira mostra dura e crua o suficiente de humor-negro na minha vida.

Foi daí que nasceu a semente.

7 comentários:

  1. Acho que é isso que todos nós sentimos realmente quando alguém que nos é querido morre. Mas simplesmente não queremos admitir que qualquer que seja o deus que a/o "quis" nos magoou e que só o(s) queremos mandar para o carailho. As crianças apenas dizem o que sentem sem mentiras, e acho que isso não tem que ser uma heresia.
    Bjs*

    ResponderEliminar
  2. O meu pai morreu tinha eu 14 anos e ainda hoje sinto que podia ter sido diferente. A minha vida poderia ter levado um outro rumo se não tivesse sido criado sem pai. No entanto não me coíbo de fazer piadas com a morte dele. Por exemplo, o velho morreu de véspera, como o peru, porque, efectivamente, ele morreu mesmo na véspera de Natal e foi comido... perdão, enterrado, no próprio dia de Natal.
    O humor negro não acrescenta nem retira nada à saudade e à tristeza que sinto.
    Quando estive internado, depois de me terem removido o tumor e parte do pulmão, eu e a minha miúda, que felizmente herdou essa parte de mim, fazíamos a vida negra à mãe, com piadas sobre as fortes hipóteses de eu ir desta para melhor, apesar de ter sido a coisa que mais marcou a minha vida, física e psicologicamente.
    Se não fosse isso, se não tivesse tido a capacidade de "fazer uns intervalos", de deixar de pensar naquilo por uns segundos, acho que tinha sido pior.

    ResponderEliminar
  3. Anna - Impossível, o dicionário é grande.

    Nightwish - Eu era um puto sincero.

    Fresco e Fofo - O facto de nos rirmos das coisas não implica que não as sintamos e também não nos faz nem mais fortes, nem mais frios, faz-nos genuínos porque aquela é a nossa forma de lidar com as adversidades. Uma amiga de família um dia comprou um Renault Clio porque tinha passado os testes de segurança e estava em primeiro no Ranking, morreu no caminho para a Inspecção, numa acidente estranho. Eu achei piada, não quer dizer que ache graça ao facto de ela ter morrido, acho graça é à ironia adjacente.

    ResponderEliminar
  4. Como não arranjo as palavras certas para dizer o quanto gostei do teu post, resumo-me a um sorriso de compreensão, concordância e a umas merecidas palmas (clap clap clap) pela maneira como pensas e escreves.

    ResponderEliminar
  5. OMG tu dizias mesmo isso? :O
    Es blog é uma mocaa..xD Continua :P

    ResponderEliminar