domingo, 14 de agosto de 2011

Algo deve estar errado... Em terra de cegos... tapa os ouvidos!

O que é que preferem? 
O que é que seria mais justo?
Será que já pensaram nisto?

Eu coloco estas perguntas porque são aquelas que ignoramos, deixamos-nos ir logo na primeira impressão.
Colocam-me muitas vezes a questão:

"Achas que um homem que trabalha a vida toda e produz enorme riqueza, deve pagar impostos mais altos e um homem que nunca juntou dinheiro não deve?"

Acho! E justifico. Um corte numa fortuna enorme não tem o mesmo peso que um corte a uma pessoa que não possua esses bens imobiliários. Um país somos todos nós, queremos ter alguns ricos e outros pobres ou tentar sermos iguais, não deve ser a máxima? Se a mim não me incomodar porque é que não contribuo com mais?

Será esta política socialista (ideologicamente, não a nível partidário) assim tão pior do que a política do corta a todos e dá esmolas aos que mais precisam? Isso não aumenta a exclusão social? Para quê criar um clima de mata ou morre e de sucesso financeiro e ganhar a todo o custo?
Puro capitalismo, isto soa bem, parece bem, mas para uns enriquecerem imenso outros ficam pobres. Só que grande propósito é a prosperidade, ignorando o resto e nessa sociedade rica dá-se ajudas aos pobres, não há que temer, dizem eles, os pobres (a futura maioria dos portugueses) não querem ajudas, querem oportunidades iguais, direitos iguais e que os deixem viver.
Será que dar esmolas a uma parte do país não é pior do que cortar a quem tem mais para eles?
Porque estão no lado dos de primeira, será? É este o país que queremos? Enriquecer a qualquer custo? Ou queremos ajudar-nos uns aos outros?

Concordem ou discordem, não importa, importa sim que compreendam, há sempre dois lados da questão e uma escolha muito mais complicada do que esta do "têm razão" e das palmas roucas sem sequer pensarem no que estão a aplaudir.

13 comentários:

  1. "Um corte numa fortuna enorme não tem o mesmo peso que um corte a uma pessoa que não possua esses bens imobiliários"

    Completamente de acordo.

    ResponderEliminar
  2. o capitalismo tem de acabar :/ está a destruir tudo a partir de dentro. só agora os sinais começam a chegar ao exterior e já é preocupante. eu concordo contigo. As pessoas decentes têm sentido de justiça e compreendem que é seu dever contribuir com mais. Sou apartidária, mas de esquerda, mas uma das pessoas que mais admiro na política é o Professor Rebelo de Sousa. embora não concorde com tudo o que ele diz, fiquei feliz quando ele disse que achava que paga impostos de 50% ou algo assim e que deveria pagar mais. por outro lado, também é preciso lembrarmo-nos dos malandros que nos últimos 5 anos praticamente foram alimentados pelo governo desgovernado de Sócrates (que deu sem olhar a quem só para manter votos). Esses devem ser punidos de alguma forma porque viver à custa dos que trabalham é mais grave do que não pagar a quantidade de impostos que seria justa.

    ResponderEliminar
  3. Estudante Amarelo - Welcome back.

    Boneca de Trapos - A culpa não foi apenas do governo de Sócrates, foi de muitos antes, mas este ainda me assusta mais, a história dos passes sociais faz-me muita confusão, o governo de Sócrates no PEC's, principalmente no 4º pretendia tirar a quem tinha mais rendimentos e nunca foi 50%, o Pedrinho achou muito mal mas agora é muita mais agressivo quando nos vem aos bolsos.

    ResponderEliminar
  4. "Os pobres (a futura maioria dos portugueses) não querem ajudas, querem oportunidades iguais, direitos iguais e que os deixem viver." Nada mais acertado do que isso.
    Mas quanto àqueles que têm mais, são muitas vezes aqueles que "fazem parecer" que têm menos. E é aí que reside o grande falhanço, não saber nem querer saber se estão a dar a esmola à pessoa certa. Desde o que o seu esteja garantido, ninguém se preocupa realmente com os restantes cidadãos/seres que por aqui andam.
    Bjs*

    ResponderEliminar
  5. Os que têm mais declaram IRS, logo é possível cortar.

    ResponderEliminar
  6. sim, tens toda a razão. Os governos anteriores (e eu aponto sempre para o de Cavaco Silva - porque quando as se é desgovernado quando há fartura o futuro só pode ser feio) ao de Sócrates também já vinham a cometer esses erros. o que sócrates fez foi potenciar tudo isso. Quanto a Passos Coelho, partilho da mesma opinião. não gosto dele. Há algumas coisas com as quais concordo, mas outras discordo totalmente e só me apetece arrancar cabelos... eu sei que apanhar o país neste estado e arranjar-lh um rumo é difícil, mas há coisas que não deviam ser postas em causa. Há privatizações que nem sequer deveriam ser pensadas... cortes a torto e a direito que deviam ser estudados, etc... O pedrinho (xD) com a história de agora ser o salvador da pátria vai revelar-se um grande monopolista, estou certa.

    ResponderEliminar
  7. O maior erro de governação foi ficar dependente da UE, esta tretas da quotas de produção só nos queimou, estes fundos envenenados para renovar as escolas que na sua maioria ainda estão em boas condições é uma anedota, é preciso é produzir, ganharmos um mínimo de independência e apoiarmos o país, não a UE.

    ResponderEliminar
  8. Ora nem mais João, o socialismo devia ser aplicado já nas escolas. O que interessa um aluno que se esforçou e estudou para ter uma média de X? Essa média devia ser toda repartida por alunos que estão em situação de retenção, independentemente se estudou ou mesmo se foi às aulas. Isto, pois o impacte da baixa da média ao aluno que que se esforçou é inferior impacte do aluno que reprova. Fantástico. Viva o socialismo nas escolas.

    ResponderEliminar
  9. Ó Pedro isso foi uma mostra de ingenuidade triste. Aqui o mérito não está em questão, se me quiseres dizer que um aluno que tenha mais posses, contribua mais para o seu ensino do que um aluno com menos possiblidades é uma coisa. O que está em questão é um imposto sobre quem pode, esse dinheiro não vai para os pobres, vai para o estado, aqui não há esmolas como nesse teu cenário. Se quiseres ser um idiota chapado estás à vontade mas fora daqui, isto não é para idiotas, enganaste-te no blog.

    ResponderEliminar
  10. Começo por dizer que não te faltei ao respeito e muito menos te insultei. Em relação ao meu comentário, ele aplica-se ao socialismo actualmente praticado por vários partidos que não é o mais correcto. Que agressividade João, um comentário que de mal nada tem e ficas logo assim...

    ResponderEliminar
  11. Só agora vi este texto e tenho a dizer que compreendo este lado, mas não concordo a 100% com ele. Compreendo sim ambos os lados e sei que esta é uma discussão em que é difícil entrar em consenso.

    Que era melhor termos uma sociedade mais igualitária e um fosso menor entre ricos e pobres, até aí estamos de acordo. Mas já reparaste que esta ideia se baseia em promover a igualdade através da 'desigualdade', por assim dizer. Tu achas que não mas se fores a ver, fazer alguém pagar mais impostos só porque ganha mais é de certa forma injusto. Colmataria o problema? Talvez, mas quanto a mim chega a ser um pouco contraditório fazê-lo.

    Uma pessoa que trabalhe mais, que tenha mais formação, que crie a sua própria riqueza através daquilo que são os seus talentos naturais e os seus esforços ao longo da vida não merece ver o seu trabalho recompensado?

    Eu acho que não podemos ter só em conta se o corte maior nos bens de uma pessoa rica vai fazer ou não diferença, se lhe vai ou não incomodar.

    E estamos a falar de uma forma geral porque já sabemos que há muitos casos em que o dinheiro não é ganho de uma forma justa.

    ResponderEliminar
  12. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  13. Patrícia aqui não se trata de igualdade. Trata-se de deveres, é necessário ajudar o país, quem tem mais deve dar mais. Numa situação normal este tipo de medidas não seriam necessárias, agora em períodos de crise fazem todo o sentido. E nem preciso de me referir ao enriquecimento ilícito. Dou-te um exemplo, o Presidente da CGD ganha 22657€ quase 3 vezes mais que o Presidente da República num cargo do Estado, porque é que este senhor não deve pagar mais impostos? Ganha quase 47 vezes mais que o ordenado mínimo nacional, o impacto no orçamento dele é extremamente reduzido. Porque é não há de contribuir mais quando pode?

    ResponderEliminar